Pular para o conteúdo principal

Juiz insere tortura como causa mortis de vítima da ditadura

 Reconstrução de cela de presos políticos no Memorial da Resistência, onde funcionou o DOPS, em São Paulo
O juiz Guilherme Madeira Dezem determinou, ontem, que o local da morte (a sede do DOI/CODI em São Paulo) e as circunstâncias em que ela se deu, ou seja, por tortura, passem a constar da certidão de óbito de uma vítima da ditadura.

Na sentença, o juiz afirma que as provas da tortura são inquestionáveis e que o reconhecimento na certidão integra o direito à memória e à verdade. Frisa, ainda, que a decisão decorre diretamente da condenação do país pela Corte Interamericana de Direitos Humanos.


A sentença da OEA, é bom lembrar, impôs ao Estado brasileiro a obrigação de expor a verdade sobre os anos de chumbo, além de excluir explicitamente os obstáculos para o julgamento dos crimes contra a humanidade, praticados naquele período.

A decisão do juiz da vara de registros públicos de São Paulo é apenas um exemplo a indicar que o acórdão do STF que entendeu válida a Lei da Anistia para crimes cometidos pelos agentes do Estado está longe de ter pacificado a questão.

O Ministério Público Federal começou a ingressar com ações para apurar os crimes de sequestro, de natureza permanente, que não teriam sido atingidos seja pela prescrição, seja pela anistia.

A primeira denúncia foi rejeitada no Pará, mas o MPF se prepara para interpor outras ações pelo país, e sugere que a tese que formulou foi exposta, inicialmente, em acórdão do próprio STF, quando analisou a questão em processo de extradição. O mesmo argumento, aliás, já serviu para processar e julgar torturadores na Argentina e no Chile.

A iminente instalação da Comissão da Verdade provocou desproporcionais reações de militares reformados, que chegaram a criticar a presidenta Dilma e seus ministros em forte documento, além de comemorar ruidosamente o aniversário do golpe em 1964, aquele que mergulhou o país em mais de duas décadas de opressão, autoritarismo e censura.

Em contrapartida, militantes que postulam a punição dos crimes contra a humanidade, têm realizado seguidas manifestações para expor publicamente as pessoas que não se pôde julgar –muitos fatos graves são de conhecimento notório.

A recalcitrância em construir a verdade oficial e julgar os atos que, segundo a jurisprudência internacional dos direitos humanos, jamais poderiam ser objeto de anistias, estão transferindo a polêmica para outros campos. Amplificando os conflitos, ao invés de esvaziá-los. Além de postergar cada vez mais o final de nossa transição para a democracia.

Nas mãos do STF, no entanto, reside hoje uma possibilidade de reexaminar sua própria decisão quando julgar os embargos declaratórios suscitados pela OAB.
Ao fazê-lo, deverá enfrentar a tese apresentada pelos promotores federais e mesmo a sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que até o momento ignorou.

É preciso compreender que a justiça depende tanto da paz, quanto a paz da justiça.

Leia a íntegra da sentença aqui

Fonte: Cirandeiras

Postagens mais visitadas deste blog

Ata de Homologação de candidatura da chapa "TODA LUTA"

Edital da Eleição para o Diretório Central dos Estudantes José Silton Pinheiro

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Diretório Central dos Estudantes da UFRN – José Silton Pinheiro Comissão Eleitoral
EDITAL
A Comissão Eleitoral, autônoma, eleita em CEB, convocado e realizado no Diretório Central dos Estudantes – (DCE UFRN), realizado no último dia quatro de abril de dois mil e dezessete, no uso de suas atribuições legais e prerrogativas outorgadas em CEB, RESOLVE:
Capítulo I: Da Comissão Eleitoral, sua composição e competências
Art. 1º - Informar da sua composição eleita em CEB supracitado:
I.Rafael Leite da Silva Bune (Pedagogia); II.Gustavo Rodrigues da Costa (Gestão de Políticas Públicas); III.Paula Lays de Lima e Silva (Direito);

HOMOLOGAÇÃO CHAPAS DE DELEGADOS AO 55 CONUNE

A Comissão Eleitoral para o processo de eleição dos e das delegados/das da UFRN ao 55º CONUNE, devidamente instituída pela Coordenação desta entidade, faz saber as chapas homologadas para o processo de campanha. Sendo elas:

CHAPA 1 - "ENFRENTE"
CHAPA 2 - "OCUPAR E RECONQUISTAR A UNE"
CHAPA 3 - "VAI LUTAR OU VAI TEMER?"

     Vale salientar que devido ao grande volume de inscritos para cada chapa, esta Comissão está compilando todos os nomes homologados de cada chapa, estes serão publicizados nesta sexta-feira(26/05/2017).
     Sem mais para o momento, autorizamos o início da campanha eleitoral conforme o Edital deste processo.


COMISSÃO ELEITORAL - DCE UFRN - 55º CONUNE