Pular para o conteúdo principal

Governo não aceita novo substitutivo do Código Florestal

Modificações feitas pelo relator da matéria na Câmara, deputado Paulo Piau (PMDB-MG), não agradaram o Executivo, que estuda possibilidade de veto. O novo texto apresentado por Piau exclui parágrafos inteiros do projeto aprovado pelo Senado, tendo como principal objetivo aliviar desmatadores da obrigatoriedade de recompor áreas que devastaram. Piau retira as regras para recomposição de vegetação nas beiras de rio.


Vinicius Mansur
Brasília - O texto apresentado pelo relator do Código Florestal na Câmara dos Deputados, Paulo Piau (PMDB-MG), nesta quinta-feira (20), não agradou ao Poder Executivo, que trabalhará para alterá-lo. A hipótese de um veto presidencial às mudanças feitas por Piau ou de veto integral ao projeto também são estudadas pelo Palácio Planalto.

Esta foi a posição transmitida ao MST em audiência com a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, por ocasião da jornada de lutas de abril do movimento. A jornada marca os 16 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás e pede o fim da impunidade à violência no campo e prioridade à reforma agrária.

Ao anunciar seu relatório, o deputado Piau afirmou saber que não conta com apoio do governo. Mas, ele aposta na vitória em plenário, mesmo que isso implique em um confronto com o Palácio do Planalto. Dentro da própria bancada ruralista, entretanto, já existe descontentamento com o excessivo tencionamento provocado por Piau, entre eles está o deputado Reinhold Stefanes (PMDB-PR). 


Mudanças
O novo texto apresentado por Piau exclui parágrafos inteiros do projeto aprovado pelo Senado, tendo como principal objetivo aliviar desmatadores da obrigatoriedade de recompor áreas que devastaram. 

Piau retira as regras para recomposição de vegetação nas beiras de rio. O projeto vindo do Senado estabelece que, para cursos d'água com até 10 metros de largura, os produtores deveriam recompor 15 metros de mata ciliar. Para os rios com leitos superiores a 10 metros, a faixa a ser recomposta deveria ter entre 30 e 100 metros.

O texto deixa para os estados, por meio do Programa de Regularização Ambiental (PRA), a definição sobre as faixas de recuperação obrigatória em Áreas de Preservação Permanentes (APPs).

Também foram excluídos artigos do projeto do Senado que regulamentavam as áreas de criação de camarões, os chamados apicuns. 

A adesão obrigatória dos produtores ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) em até cinco anos para o acesso ao crédito agrícola também foi retirada.

Pelo novo projeto, nos estados da Amazônia Legal, com mais de 65% de área ocupada por unidades de conservação e terras indígenas, as propriedades poderão reduzir sua reserva legal de 80% para até 50%. 

FONTE: Carta Maior

Postagens mais visitadas deste blog

Ata de Homologação de candidatura da chapa "TODA LUTA"

UNE lança nova carteira estudantil

Começou no último dia 27  a emissão da nova carteira nacional estudantil. A nova carteira expedida pela União Nacional dos Estudantes teve o layout nacionalmente padronizado e está de acordo com as exigências da Lei que esclarece as medidas relativas à Copa das Confederações FIFA 2013, à Copa do Mundo FIFA 2014 e aos eventos relacionados, que serão realizados no Brasil. A carteira vai garantir 50% de desconto no ingresso para os jogos da Copa das Confederações que acontece agora em junho bem como para o transporte público nos municípios onde os estudantes têm benefícios assegurados. “O funcionamento da carteirinha durante este ano será uma experiência importante para a Copa do Mundo e os demais eventos esportivos que virão. As mudanças também reforçam a credibilidade da carteira como um documento de identificação dos estudantes reconhecido em todo o território nacional”, destaca o presidente da UNE, Daniel Iliescu.
A nova carteira estudantil tem certificado digital e poderá ser emiti…

Xerox na UFRN

Você está indignado com o serviço de Xerox na UFRN? Não agüenta mais ficar em fila? Já precisou várias vezes de material que não teve como copiar? Quer um serviço mais barato e de qualidade? Seus problemas ainda não acabaram, mas podem acabar! O DCE/UFRN, gestão “Da luta não me retiro”, na qualidade de representante legitimado dos estudantes da UFRN, diante da grande quantidade de reclamações de diversos estudantes e Centros Acadêmicos a respeito péssima qualidade do serviço de reprografia atualmente prestado nessa Universidade - as longas filas e esperas, muitas vezes sem conseguir êxito para retirar cópia ou fazer impressão, que têm feito inclusive vários estudantes perderem aula – convoca os estudantes para discutir e pensar soluções práticas para a problemática da Xerox. A última licitação para prestação de serviço de copiadora na UFRN ocorreu em 2002 (concorrência nº 02/2002), o que significa que a empresa que atualmente está na UFRN o faz sem licitação, além de não ser de modo nen…