quinta-feira, 29 de março de 2012

Presidente do INEP ministra palestra na UFRN sobre acesso às universidades pelo ENEM/SiSU

Nesta quinta-feira, 29, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) recebe o professor Luiz Cláudio Costa, presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), para palestra intitulada “ENEM/SiSU como Processo de Acesso às Universidades”. A palestra será aberta para toda a comunidade acadêmica e acontecerá a partir das 15h, no Auditório da Reitoria.

A UFRN figura, atualmente, como uma das poucas universidades do País que não aderiram totalmente ao Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e ao Sistema de Seleção Unificada (SiSU) como processo seletivo de acesso ao ensino superior. Desde 2011, porém, 11 cursos passaram a selecionar candidatos a partir do ENEM/SiSU, somando 335 oportunidades de vagas. Para o próximo vestibular, a proposta é que todos os cursos destinem 50% das vagas para o exame nacional.

De acordo com o pró-reitor adjunto de Graduação da UFRN, professor Adelardo Dantas de Medeiros, a proposta está em discussão. “Ainda não há nada definido, mas esta é uma proposta que a PROGRAD elaborou em conjunto com a Comissão Permanente do Vestibular (COMPERVE) e que iremos apresentar ao Conselho Universitário (CONSUNI) na próxima reunião, no dia 17 de abril. Porém, já estamos realizando palestras para explicar a adesão à comunidade”, afirmou.

A UFRN segue agora uma tendência geral de adesão ao ENEM, bastante apoiada pelo Governo Federal e que trará mais recursos para a Universidade. “Apesar dos problemas que surgiram nas edições anteriores, vimos que eles foram extremamente pontuais. Em um universo de cinco milhões de alunos, se 300 apresentam problema, como aconteceu no ano passado, chegamos a um índice muito baixo. O mais importante é ver que o INEP está atuando de forma rápida para solucionar o problema”, defende Adelardo.

Para o pró-reitor adjunto, a decisão de aderir ao Exame Nacional já era discutida há algum tempo dentro da Universidade devido às suas vantagens frente ao vestibular tradicional. “Apesar de o vestibular da UFRN ser um dos melhores do País, vê-se que o SiSU é melhor por seu aspecto inclusivo. Vemos isso ao avaliar questões de mobilidade, uma vez que o exame chega à cidades que o vestibular não chega, do preço das inscrições e da isenção, além da possibilidade que cada aluno tem de concorrer em cinco instituições diferentes através de um só exame”, explica o professor.

Adesão total

De acordo com as informações da PROGRAD, o processo de implantação do ENEM/SiSu será total. Diferentemente de universidades como as federais de Pernambuco (UFPE), Minas Gerais (UFMG) e Pará (UFPA), que optaram por considerar as notas do ENEM como primeira fase do processo seletivo, a UFRN extinguirá o vestibular tradicional caso a proposta seja aprovada pelo CONSUNI.

“A questão central não é o ENEM e sim o SiSU, que possibilita que um estudante concorra em várias instituições e assim tenha mais chances. Ao optar por considerar a nota somente como primeira fase, estou destruindo as oportunidades criadas perante as questões de acessibilidade”, explicou o pró-reitor adjunto de Graduação, Adelardo Dantas.

FONTE: Portal da UFRN