Pular para o conteúdo principal

Dilma cresce mais que média de FHC

O corte de 0,75% na taxa de juros é uma boa notícia. Mostra que o COPOM está atento a prioridade dos brasileiros, que é manter o crescimento e o emprego. Considerando que a maioria dos consultores e analistas apostava num corte de 0,5%, essa decisão demonstra que a decisão foi tomada com independência em relação àquela força que pretende controlar os movimentos do BC — o mercado.
A notícia de que o Brasil contrariou diversas previsões, oficiais e privadas, e cresceu 2,7% em 2011 ajuda a explicar o corte de 0,75%.

É bom recordar que o crescimento de 2,7% é baixo em relação aos 4,4% que marcaram a média dos oito anos de Lula. Mas o crescimento de 2011 ficou acima da média do dois mandatos de FHC, 2,2%.

Mesmo assim, não há motivo racional para o crescimento ter ficado em 2,7%. A China cresceu 9,2% no mesmo período e, entre outros BRICS, a Africa do Sul, que teve o desempenho mais baixo — ficou em 4,1%.

A queda no indice brasileiro tem uma explicação. O governo Dilma entrou em 2011 convencido de que a prioridade era evitar o risco inflacionário. Isso levou o BC a levantar os juros e também desenvolver uma série de medidas macroprudenciais. Foram tomadas várias medidas destinadas a diminuir o crédito e rebaixar o consumo.

Vê-se, agora, que houve um exagero na dose. Era preciso impedir uma alta inflacionária, mas não havia necessidade de um esforço tão grande parea segurar o crescimento.

Interessada em esfriar ainda mais a economia, a oposição perdeu uma ótima oportunidade de mostrar competência se, em vez de pedir elevações ainda maiores dos juros, que poderiam levar à uma recessão, tivesse defendido medidas capazes de manter o crescimento.

Pelo contrário. Em 31 de agosto, quando o COPOM começou o ciclo de redução de juros, a oposição promoveu um carnaval monetarista. Vê-se, agora, que os juros poderiam ter começado a cair mais cedo.

Fonte: Época

Postagens mais visitadas deste blog

Ata de Homologação de candidatura da chapa "TODA LUTA"

Edital da Eleição para o Diretório Central dos Estudantes José Silton Pinheiro

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Diretório Central dos Estudantes da UFRN – José Silton Pinheiro Comissão Eleitoral
EDITAL
A Comissão Eleitoral, autônoma, eleita em CEB, convocado e realizado no Diretório Central dos Estudantes – (DCE UFRN), realizado no último dia quatro de abril de dois mil e dezessete, no uso de suas atribuições legais e prerrogativas outorgadas em CEB, RESOLVE:
Capítulo I: Da Comissão Eleitoral, sua composição e competências
Art. 1º - Informar da sua composição eleita em CEB supracitado:
I.Rafael Leite da Silva Bune (Pedagogia); II.Gustavo Rodrigues da Costa (Gestão de Políticas Públicas); III.Paula Lays de Lima e Silva (Direito);

HOMOLOGAÇÃO CHAPAS DE DELEGADOS AO 55 CONUNE

A Comissão Eleitoral para o processo de eleição dos e das delegados/das da UFRN ao 55º CONUNE, devidamente instituída pela Coordenação desta entidade, faz saber as chapas homologadas para o processo de campanha. Sendo elas:

CHAPA 1 - "ENFRENTE"
CHAPA 2 - "OCUPAR E RECONQUISTAR A UNE"
CHAPA 3 - "VAI LUTAR OU VAI TEMER?"

     Vale salientar que devido ao grande volume de inscritos para cada chapa, esta Comissão está compilando todos os nomes homologados de cada chapa, estes serão publicizados nesta sexta-feira(26/05/2017).
     Sem mais para o momento, autorizamos o início da campanha eleitoral conforme o Edital deste processo.


COMISSÃO ELEITORAL - DCE UFRN - 55º CONUNE