Pular para o conteúdo principal

Comissão da Verdade paulista é instalada nesta terça-feira


A versão paulista da Comissão da Verdade pretende investigar principalmente mortes e desaparecimentos políticos ocorridos no Estado durante a ditadura militar. Além disso, quer contribuir com o levantamento de depoimentos, testemunhas, documentos públicos e judiciais sobre violações aos Direitos Humanos ocorridos no período. Familiares da mortos e desaparecidos tentarão transformar um antigo prédio da 2ª Circunscrição Judiciária Militar em sede da Comissão da Verdade estadual. 


Fábio Nassif

São Paulo - Enquanto a Comissão Nacional da Verdade não é nomeada, será instalada nesta terça-feira (28), a sua versão paulista. Composta pelos deputados Adriano Diogo (PT), Marcos Zerbini (PSDB), André Soares (DEM), Ed Thomas (PSB) e Ulysses Tassinari (PV), a comissão pretende investigar principalmente mortes e desaparecimentos políticos ocorridos no Estado durante a ditadura militar.

Com um caráter diferente da comissão nacional prevista na lei 12.528, aprovada no ano passado, a Comissão da Verdade do Estado de São Paulo pretende contribuir com o levantamento de depoimentos, testemunhas, documentos públicos e judiciais sobre violações aos Direitos Humanos ocorridos no período.

A comissão, hegemonizada por partidos da base do governo de Geraldo Alckmin (PSDB), foi nomeada pelo presidente da Assembleia Legislativa, o também tucano Barros Munhoz. O autor da resolução que criou a comissão, deputado Adriano Diogo (PT), que deve ser eleito seu presidente, afirmou que tentará fazer alterações na sua composição, mas acredita que, mesmo se o perfil conservador for mantido, o trabalho da Assembleia paulista poderá dar a sua contribuição ao resgate desse período da história brasileira. 

Na quinta-feira (01), haverá uma sessão especial para abertura da comissão, às 19 horas, na Alesp. Em seguida, será exibido um vídeo sobre a vida do deputado Rubens Paiva, desaparecido no período militar. A investigação abarcará os anos de 1964 a 1982, já que os tucanos colocaram como condicionante para aprovação da resolução que a comissão não investigasse o governo de Franco Montoro (1983 a 1987). O prazo de funcionamento é de dois anos, mas com possibilidade de extensão deste prazo.

Uma sede

Adriano Diogo afirmou que familiares da mortos e desaparecidos políticos tentarão transformar um antigo prédio da 2ª Circunscrição Judiciária Militar (CJM) em sede da Comissão da Verdade estadual. O prédio da Auditoria Militar fica localizado na Avenida Brigadeiro Luiz Antonio, nº 1249. Segundo o deputado, o prédio pertence à União e está sob a responsabilidade do Ministério da Cultura. Neste local, muitos presos políticos foram julgados, inclusive o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (foto).

Comissão Nacional

“Acho que a Comissão da Verdade em São Paulo é um impulso muito grande para que a nacional seja eficiente”, afirmou Adriano. Mesmo sendo petista e envolvido com a questão dos direitos humanos, o deputado afirma não ter acesso às informações relativas à Comissão Nacional.

Subordinada à Casa Civil, a Comissão Nacional estaria no período de fechamento dos nomes. O governo havia prometido anunciá-los em fevereiro. A presidenta Dilma Roussef deve escolher sete conselheiros, que terão assistência de 14 assessores.

Postagens mais visitadas deste blog

Ata de Homologação de candidatura da chapa "TODA LUTA"

Edital da Eleição para o Diretório Central dos Estudantes José Silton Pinheiro

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Diretório Central dos Estudantes da UFRN – José Silton Pinheiro Comissão Eleitoral
EDITAL
A Comissão Eleitoral, autônoma, eleita em CEB, convocado e realizado no Diretório Central dos Estudantes – (DCE UFRN), realizado no último dia quatro de abril de dois mil e dezessete, no uso de suas atribuições legais e prerrogativas outorgadas em CEB, RESOLVE:
Capítulo I: Da Comissão Eleitoral, sua composição e competências
Art. 1º - Informar da sua composição eleita em CEB supracitado:
I.Rafael Leite da Silva Bune (Pedagogia); II.Gustavo Rodrigues da Costa (Gestão de Políticas Públicas); III.Paula Lays de Lima e Silva (Direito);

HOMOLOGAÇÃO CHAPAS DE DELEGADOS AO 55 CONUNE

A Comissão Eleitoral para o processo de eleição dos e das delegados/das da UFRN ao 55º CONUNE, devidamente instituída pela Coordenação desta entidade, faz saber as chapas homologadas para o processo de campanha. Sendo elas:

CHAPA 1 - "ENFRENTE"
CHAPA 2 - "OCUPAR E RECONQUISTAR A UNE"
CHAPA 3 - "VAI LUTAR OU VAI TEMER?"

     Vale salientar que devido ao grande volume de inscritos para cada chapa, esta Comissão está compilando todos os nomes homologados de cada chapa, estes serão publicizados nesta sexta-feira(26/05/2017).
     Sem mais para o momento, autorizamos o início da campanha eleitoral conforme o Edital deste processo.


COMISSÃO ELEITORAL - DCE UFRN - 55º CONUNE