Pular para o conteúdo principal

As consequências dos agrotóxicos nas crianças indianas


Da Caros Amigos

Uma reportagem publicada no último mês no jornal inglês The Guardian relata o drama de uma região da Índia que no passado foi intensamente pulverizada com o herbicida endossulfam e hoje tem 50% dos domicílios com um adulto ou uma criança sofrendo severas deficiências.

Nos anos 1980 e 1990 helicópteros eram frequentemente vistos sobre os distritos de Kasagod, no estado de Kerala, e de Dakshina Kannada, em Karnataka. Duas ou três vezes por ano eles voavam baixo para pulverizar agrotóxicos em pomares de caju plantados em áreas recém-desmatadas. Havia cerca de 60 comunidades ao redor das plantações, que produziam castanhas para o mercado indiano e para exportação. A maioria dos moradores da região nunca tinha visto um helicóptero antes, mas logo eles se acostumaram às pulverizações.

Ao longo dos anos 1980, médicos que visitam as regiões começaram a notar uma variedade de problemas de saúde nos moradores, particularmente entre as crianças, e começaram a suspeitar que o endossulfam fosse o culpado.

Estudos subsequentes (contestados pelas indústrias) ligaram o endossulfam a danos ao sistema nervoso central e a alterações hormonais em mães e bebês.

Quando os pesquisadores compararam crianças e adolescentes de vilarejos onde o endossulfam havia sido pulverizado com populações de lugares onde o agrotóxico não havia sido utilizado no período recente, descobriram que nos locais pulverizados havia níveis muito maiores de reclamações envolvendo problemas de pele, epilepsia e paralisia cerebral.

O Dr. Ravindranath Shanbhag, farmacêutico de 61 anos que foi um dos primeiros a observar o problema e a demandar a proibição do Endossulfam, disse ao Guardian que cerca de 6 mil pessoas foram afetadas no norte de Kerala e no sul de Karnataka.

“Os fabricantes dizem que as preocupações sobre saúde não passam de propaganda espalhada por empresas dos países ricos que querem que as nações em desenvolvimento passem a utilizar produtos mais novos e mais caros e sobre os quais elas ainda detêm os direitos de patente”, explicou Shanbhag. “Mas eu sei a verdade. Eu estive vendo tudo com meus próprios olhos por muitos anos.”

Há muitas evidências empíricas também. Chandika Rai é mãe de Kaushiq, um menino de onze anos que sofre de séria deficiência cerebral. Rai conta que, assim como muitas outras mulheres, esteve exposta a intensa pulverização aérea de endossulfam ao longo de sua gravidez. “Eu via os helicópteros, nós moramos quase dentro da plantação. Mas eu nunca pensei que elas poderiam prejudicar o meu bebê”, diz ela.

No último ano testes encontraram altos níveis de endossulfam ainda no solo e o Dr. Shanbhag teme que dezenas de milhares de crianças ainda por nascer possam ser prejudicadas, e que mais problemas venham com as futuras gerações: “Há centenas de milhares de pessoas agora atingindo a idade adulta que foram expostas ao agrotóxico. O que acontecerá com as crianças que elas planejam ter? Nós simplesmente não sabemos”.

O peso financeiro que as vítimas representam para as suas famílias também é significante. Muitas famílias já são pobres, frequentemente trabalhadores braçais que ganham menos de 8 dólares por dia, quando há trabalho.

Ramesh Kartagea, por exemplo, tem 28 anos, é seriamente incapacitado e é cuidado por sua mãe e duas irmãs. Seu pai trabalha na lavoura e as mulheres são costureiras. A família foi obrigada a vender sua pequena casa para pagar as despesas médicas.

Em setembro último a Suprema Corte da Índia manteve a proibição ao uso do endosulfam, decretada no início de 2011, rejeitando os argumentos de dezenas de fabricantes, que dizem que não há ligação entre o agrotóxico e os problemas de saúde verificados em Kerala e Karnataka.

Os juízes, entretanto, permitiram que as empresas indianas vendam seus estoques de endossulfam para outros países – os poucos onde o produto ainda é permitido.

Familiares das vítimas do endossulfam comemoraram a proibição, mas ressaltam que há muitas pessoas já sofrendo os efeitos do produto.

No Brasil, a Anvisa publicou, em agosto de 2010, a Resolução-RDC nº 28, que determinou o banimento faseado do endossulfam: proibição da importação a partir de 2011, proibição da fabricação em território nacional a partir de 31 de julho de 2012 e proibição da comercialização e do uso (somente) a partir de 31 de julho de 2013.

Essa foi a solução encontrada para que os fabricantes pudessem escoar todos os seus estoques do veneno, evitando prejuízos. Em outras palavras, a saúde de muitas pessoas é mantida sob risco para preservar as finanças das empresas veneneiras.

Fonte: MST

Postagens mais visitadas deste blog

Ata de Homologação de candidatura da chapa "TODA LUTA"

Edital da Eleição para o Diretório Central dos Estudantes José Silton Pinheiro

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Diretório Central dos Estudantes da UFRN – José Silton Pinheiro Comissão Eleitoral
EDITAL
A Comissão Eleitoral, autônoma, eleita em CEB, convocado e realizado no Diretório Central dos Estudantes – (DCE UFRN), realizado no último dia quatro de abril de dois mil e dezessete, no uso de suas atribuições legais e prerrogativas outorgadas em CEB, RESOLVE:
Capítulo I: Da Comissão Eleitoral, sua composição e competências
Art. 1º - Informar da sua composição eleita em CEB supracitado:
I.Rafael Leite da Silva Bune (Pedagogia); II.Gustavo Rodrigues da Costa (Gestão de Políticas Públicas); III.Paula Lays de Lima e Silva (Direito);

HOMOLOGAÇÃO CHAPAS DE DELEGADOS AO 55 CONUNE

A Comissão Eleitoral para o processo de eleição dos e das delegados/das da UFRN ao 55º CONUNE, devidamente instituída pela Coordenação desta entidade, faz saber as chapas homologadas para o processo de campanha. Sendo elas:

CHAPA 1 - "ENFRENTE"
CHAPA 2 - "OCUPAR E RECONQUISTAR A UNE"
CHAPA 3 - "VAI LUTAR OU VAI TEMER?"

     Vale salientar que devido ao grande volume de inscritos para cada chapa, esta Comissão está compilando todos os nomes homologados de cada chapa, estes serão publicizados nesta sexta-feira(26/05/2017).
     Sem mais para o momento, autorizamos o início da campanha eleitoral conforme o Edital deste processo.


COMISSÃO ELEITORAL - DCE UFRN - 55º CONUNE