Pular para o conteúdo principal

Carta aberta à comunidade acadêmica do Coletivo de Mulheres da UFRN

(Como resultado da intervenção por fraldários realizada no dia 20 de outubro na CIENTEC, construímos uma carta direcionada a toda comunidade acadêmica mostrando a leitura que fazemos do contexto em que se insere essa reinvindicação).


A UFRN vem passando por uma fase de grande crescimento, sua estrutura vem sendo aprimorada e ampliada, mais cursos vêm sendo criados, o número de vagas para alunos vêm aumentando a cada semestre e o quadro de professores efetivos vem crescendo. Isso se dá no âmbito de um amplo programa de desenvolvimento econômico e social encampado pelo governo federal, no qual as universidades públicas também se inserem. Esse novo contexto vem trazendo novas possibilidades e novos desafios. Grupos sociais excluídos, que há pouco tempo não tinham acesso à universidade hoje conseguem entrar de forma mais massiva, as mulheres, historicamente inferiorizadas no mundo do trabalho e da ciência, são hoje maioria nas universidades brasileiras. Porém, os desafios para permanecer e efetivar os estudos continua, e se não considerarmos esses limites seremos coniventes com uma universidade que historicamente reproduz as desigualdades sociais.

A UFRN como espaço público, se coloca como um ponto fundamental de formulação de conhecimento, mas também como espaço de construção de novas e mais justas formas de convivência, de participação política, de trabalho, de arte, de cultura e etc.. Não existe hoje em nenhum campus da UFRN um banheiro adaptado para as mães e gestantes, que as permita amamentar e trocar seus filhos e filhas num ambiente limpo e saudável. Não há espaço para as mães, os pais e as crianças permanecerem em nenhum setor da universidade, restando à maioria apenas as cantinas, os corredores e as salas de aula. Por isso, no último dia 20 de outubro, enquanto se dava a CIENTEC, realizamos uma intervenção com o questionamento: “Onde estão os fraldários da universidade?”, com a intenção de conscientizar e mobilizar o público acadêmico para urgência dessa infra-estrutura. Também não se tem nenhuma residência estudantil que comporte estudantes com filhos e possibilite a permanência das estudantes do interior. Além disso, temos uma escola de educação infantil que reserva apenas quatro vagas para filhos de estudantes e uma creche situada no campus da saúde, com vaga para apenas trinta crianças, divididas entre filhas (os) de estudantes, servidores e comunidade externa.

A prova dessa necessidade vem sendo demonstrada em importantes relatórios. No último estudo feito nas universidades federais brasileiras constatou-se que 10% dos estudantes têm filhos. O Coletivo de Mulheres realizou um questionário em quatro setores da universidade e constatou que num total de 80 mulheres entrevistadas, 15% são mães e entre estas, 58% possuem renda mensal de até um salário mínimo. Entretanto, na UFRN nada tem sido feito para modificar esse quadro. O orçamento de assistência estudantil não garante o auxílio necessário para os pais e mães estudantes e nem oferece a estrutura física para corresponder a essas necessidades.

É pensando nisso, que nós mulheres, estudantes organizadas no Coletivo de Mulheres da UFRN, viemos manifestar nossa indignação, compartilhar nossos questionamentos e exigir uma assistência estudantil sensível e compromissada com os estudantes que têm filhas (os). Portanto, exigimos a garantia no planejamento e no orçamento da universidade, espaço para políticas de assistência para as mães e pais estudantes, possibilitando-os seu livre e pleno desenvolvimento enquanto estudantes universitários.

Coletivo de Mulheres da UFRN


"Eu quero creche, quero fraldário.
Sou estudante universitária!"

"Eu vou trocar eu vou trocar, me diga como é que eu faço.
Eu vou trocar eu vou trocar a fralda do meu bebê!"

"Cadê? Cadê? Cadê o fraldário pro meu bebê?
Cadê? Cadê? Cadê o fraldário pro meu bebê?
Cadê? Cadê? Cadê? Cadê o fraldário pro meu bebê?"

Postagens mais visitadas deste blog

Ata de Homologação de candidatura da chapa "TODA LUTA"

Edital da Eleição para o Diretório Central dos Estudantes José Silton Pinheiro

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Diretório Central dos Estudantes da UFRN – José Silton Pinheiro Comissão Eleitoral
EDITAL
A Comissão Eleitoral, autônoma, eleita em CEB, convocado e realizado no Diretório Central dos Estudantes – (DCE UFRN), realizado no último dia quatro de abril de dois mil e dezessete, no uso de suas atribuições legais e prerrogativas outorgadas em CEB, RESOLVE:
Capítulo I: Da Comissão Eleitoral, sua composição e competências
Art. 1º - Informar da sua composição eleita em CEB supracitado:
I.Rafael Leite da Silva Bune (Pedagogia); II.Gustavo Rodrigues da Costa (Gestão de Políticas Públicas); III.Paula Lays de Lima e Silva (Direito);

HOMOLOGAÇÃO CHAPAS DE DELEGADOS AO 55 CONUNE

A Comissão Eleitoral para o processo de eleição dos e das delegados/das da UFRN ao 55º CONUNE, devidamente instituída pela Coordenação desta entidade, faz saber as chapas homologadas para o processo de campanha. Sendo elas:

CHAPA 1 - "ENFRENTE"
CHAPA 2 - "OCUPAR E RECONQUISTAR A UNE"
CHAPA 3 - "VAI LUTAR OU VAI TEMER?"

     Vale salientar que devido ao grande volume de inscritos para cada chapa, esta Comissão está compilando todos os nomes homologados de cada chapa, estes serão publicizados nesta sexta-feira(26/05/2017).
     Sem mais para o momento, autorizamos o início da campanha eleitoral conforme o Edital deste processo.


COMISSÃO ELEITORAL - DCE UFRN - 55º CONUNE