sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Estudante diz existir esquema no DCE de universidade particular em Natal

O papel de um Diretório Central dos Estudantes (DCE) é lutar contra as qualquer tipo de organização que afete os interesses dos estudantes no Brasil, e que, também,por consequência, afete os interesses do país. Porém, em algumas universidades, o conceito não vem sendo respeitado.

Um grupo de alunos da Universidade Potiguar (UnP) vem tentando, sem êxito até agora, se manifestar em relação as eleições do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da instituição de ensino, que ainda não tem data para acontecer por causa de arbitrariedades.

Segundo o estudante de Direito do 3º período, João Paulo Lacerda, a chapa da situação que tenta a reeleição e que organiza o pleito, vem adiando sistematicamente a divulgação de normas legais para a eleição acontecer. Como se não bastasse, o mesmo grupo que toma conta atualmente do DCE está no poder há 10 anos, quando deveria ficar no máximo por três. “Eles estão tocando o DCE por vários anos, só muda a presidência”, disse.

João Paulo diz achar estranho que pessoas do 6º período da faculdade de Direito não saibam nem o que seja um DCE. “Uma prova do quanto esse grupo é ausente, os alunos nem sabem pra que serve um DCE, se soubessem era porque a chapa atual era porque a sua parte estava sendo feita, mas isso não acontece”, disse. Para completar, o estudante ainda disparou contra a administração atual: “DCE não só serve para organizar calourada, tem muitas outras coisas que não estão sendo feitas.

Uma das atribuições que o atual DCE não vem tomando a frente é em relação a carteira de estudante. Enquanto o benefício para muitos custa R$7,50 em alguns lugares e até R$3,50 em outros, na UnP chega a custar R$15. Outro problema identificado é a renúncia sobre abusos nas mensalidades. Enquanto que legalmente o reajuste pode ser feito uma vez ao ano, a UnP faz a cada três meses.

Diante de total falta de preocupação do atual DCE com esses fatos, João Paulo Lacerda acredita que o consentimento esteja relacionado com acordo político/financeiro entre administradores da universidade e os membros do DCE que estão há muito tempo no cargo. “Com certeza isso existe, é muita gente grande envolvida e um deles é Flávio Fonseca”, disse se referindo ao atual Secretário Adjunto da Secretaria Municipal da Juventude, Esportes e Lazer (Sejel) da prefeitura do Natal.

A chapa de oposição, intitulada “Por um DCE de verdade”, também não está sendo permitida pela direção de expor as propostas em sala de aula. Tiveram material reprovado como faixas e panfletos, sem contar que foram até expulsos do recinto, conferindo assim uma atitude anti-democrática que não confere com a política de um movimento estudantil.