quinta-feira, 17 de março de 2011

Argumento de inclusão da UFRN é assunto de audiência pública no plenário da Câmara de Natal

Os mecanismos de ingresso no ensino superior federal, como o Sistema Único de Avaliação Universitária (SISU), o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e o argumento de inclusão no vestibular para os estudantes da rede pública, foram temas de uma audiência pública na manhã desta quarta-feira (16) no plenário da Câmara Municipal de Natal.

O encontro foi proposto pelo vereador Luis Carlos (PMDB) e contou com a participação de representantes do DCE da UFRN,  entidades estudantis da rede pública e privada de ensino, da secretária de Educação do Estado Bethânia Ramalho, da presidente da Comperve Magda de Melo e da diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte) Fátima Cardoso.

A audiência foi motivada pela recente polêmica envolvendo seis estudantes, entre os quais o primeiro lugar geral do curso de Medicina, que ingressaram na UFRN após fraudar certificados de conclusão do ensino médio em escola pública para se beneficiar do argumento de inclusão.

Para o vereador Luis Carlos, a questão precisa ser debatida de modo a se buscar uma revisão geral do sistema de inclusão. “Não somos contra o argumento de inclusão. O que queremos é encontrar uma maneira de discutir a questão de modo que nenhum aluno, seja da rede de ensino privado ou público, seja prejudicado”, enfatizou.

A secretária estadual de Educação Bethânia Ramalho, que também foi presidente da Comperve, também ressaltou a importância do debate. “Infelizmente, o debate ganhou destaque devido a uma fragilidade. Há um problema sério na educação do país. Precisamos de educação pública e privada, mas, sobretudo precisamos de uma discussão séria que não fique apenas na retórica”, afirmou.