Pular para o conteúdo principal

Cotas com recortes étnico-raciais são aprovadas

Terça-feira (01 de julho) foi um dia alegre para a autora do PL 546/07, a senadora Ideli Salvatti. O projeto de lei que destina no mínimo 50% das vagas das universidades federais e das instituições públicas de educação profissional e tecnológica aos estudantes que cursaram integralmente o ensino básico em escolas públicas foi aprovado na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal.
O projeto prevê ainda o recorte étnico-racial, proporcional à presença de negros e índios na população da unidade federativa onde for instalada a instituição de ensino. Portadores de deficiência, de acordo com emenda apresentada pelo senador Paulo Paim, terão acesso às vagas independente da procedência escolar.
Entretanto, o PL foi aprovado em decisão terminativa na Comissão de Educação, o que significa dizer que nove senadores podem assinar um recurso e submetê-lo à votação no plenário do Senado, caso contrário segue diretamente para a Câmara dos Deputados, onde pode ser sancionado, promulgado ou arquivado.
O fato gerou polêmica na mídia. O apresentador do Jornal da Globo, William Waack, questionou se o investimento na educação básica não seria uma alternativa mais interessante. No mesmo programa, o ex-ministro da educação Paulo Renato, ao ser entrevistado, defendeu que dentro dos 50%, metade das vagas fossem destinadas para alunos oriundos de famílias com renda de até três salários mínimos, afirmando que a alteração contemplaria os mais pobres e, consequentemente, os negros, os pardos e os brancos pobres.
Mas será que os mais pobres recebem algo em torno de três salários mínimos? Será que os mais pobres têm carteira assinada e comprovação de renda? Será que Paulo Renato, atualmente deputado, defende realmente a reserva de vagas para estudantes de escola pública?
É papel do movimento estudantil debater o tema e produzir uma proposta, de forma que possamos pressionar o Senado e a Câmara dos Deputados no sentido de recebê-la e aprová-la. É papel do movimento estudantil e de todos os movimentos sociais pressionar o governo para ampliar os investimentos na área da educação, pois não podemos permitir que nossas reivindicações se transformem em argumentos da direita contra ações afirmativas.
Ações afirmativas são temporárias, mas nossa luta é permanente.
Bruno Costa - Estudante de Letras

Postagens mais visitadas deste blog

Ata de Homologação de candidatura da chapa "TODA LUTA"

UNE lança nova carteira estudantil

Começou no último dia 27  a emissão da nova carteira nacional estudantil. A nova carteira expedida pela União Nacional dos Estudantes teve o layout nacionalmente padronizado e está de acordo com as exigências da Lei que esclarece as medidas relativas à Copa das Confederações FIFA 2013, à Copa do Mundo FIFA 2014 e aos eventos relacionados, que serão realizados no Brasil. A carteira vai garantir 50% de desconto no ingresso para os jogos da Copa das Confederações que acontece agora em junho bem como para o transporte público nos municípios onde os estudantes têm benefícios assegurados. “O funcionamento da carteirinha durante este ano será uma experiência importante para a Copa do Mundo e os demais eventos esportivos que virão. As mudanças também reforçam a credibilidade da carteira como um documento de identificação dos estudantes reconhecido em todo o território nacional”, destaca o presidente da UNE, Daniel Iliescu.
A nova carteira estudantil tem certificado digital e poderá ser emiti…

Xerox na UFRN

Você está indignado com o serviço de Xerox na UFRN? Não agüenta mais ficar em fila? Já precisou várias vezes de material que não teve como copiar? Quer um serviço mais barato e de qualidade? Seus problemas ainda não acabaram, mas podem acabar! O DCE/UFRN, gestão “Da luta não me retiro”, na qualidade de representante legitimado dos estudantes da UFRN, diante da grande quantidade de reclamações de diversos estudantes e Centros Acadêmicos a respeito péssima qualidade do serviço de reprografia atualmente prestado nessa Universidade - as longas filas e esperas, muitas vezes sem conseguir êxito para retirar cópia ou fazer impressão, que têm feito inclusive vários estudantes perderem aula – convoca os estudantes para discutir e pensar soluções práticas para a problemática da Xerox. A última licitação para prestação de serviço de copiadora na UFRN ocorreu em 2002 (concorrência nº 02/2002), o que significa que a empresa que atualmente está na UFRN o faz sem licitação, além de não ser de modo nen…