quinta-feira, 7 de março de 2013

Convocatória para o 5ª Encontro de Mulheres da UNE


O EME surgiu em 2005, por iniciativa da diretoria de mulheres da UNE, com o objetivo de ser um espaço de auto-organização e fortalecimento do debate feminista na entidade, contribuindo no combate ao machismo e todas as formas de opressão sofridas pelas mulheres dentro das universidades e no movimento estudantil. A segunda edição, que ocorreu em 2007 consolidou o Encontro e permitiu a criação de uma agenda própria. 

Em 2011 o EME contou com a participação de centenas estudantes de todo o Brasil em Salvador. Com o mote “Ô abre alas que as mulheres vão passar” o Encontro reforçou a luta por Creches, assistência estudantil, currículos acadêmicos que abrangem a discussão de gênero e educação não sexista. A partir do encontro foi criada uma agenda de avanços para as mulheres nos espaços de decisão dentro e fora da Entidade e apresentar os desafios da mulher brasileira que, mesmo se admitindo avanços no campo das políticas públicas, no acesso à educação, ainda sofrem com as duplas jornadas de trabalho, com a falta de autonomia e a mercantilização de seus corpos, com a criminalização do aborto e com os valores patriarcais e mercadológicos arraigados no seu cotidiano. 


Carregamos na construção deste 5º EME a trajetória de centenas de mulheres na UNE que unidas rompendo barreiras conquistaram a obrigatoriedade de 30% de mulheres da diretoria, construíram coletivos de mulheres estudantes nas universidades, realizaram uma massiva campanha pela legalização do aborto, campanhas permanentes pelo fim dos trotes machistas e criação de creches.

Apontamos também na luta das mulheres na UNE a importância da disputa dos valores da juventude brasileira. Acreditamos que a construção de um país mais justo passa por transformações estruturantes importantes, que para serem reais, tem de contemplar a pauta das mulheres. Da luta pela democratização dos meios de comunicação com combate à mídia sexista à luta até a luta pela reforma política com inclusão real das mulheres com voto em lista pré-ordenada e alternância de gênero, todo avanço das conquistas feministas é uma forma de democratização da sociedade.

E para construir essa pauta democratizante, entendemos que a universidade cumpre um papel central. Por isso nós mulheres estudantes queremos garantir que  a universidade que hoje contempla metade das mulheres em seu corpo discente, seja também a universidade que contemple as mulheres na sua produção de conhecimento e garanta a permanência das estudantes.  

Entendemos que uma educação de qualidade deve combater a opressão machista e se debruçar em construir a universidade a serviço do povo. Portanto, pela nossa caminhada de luta e perspectiva de construir maiores avanços, a UNE reafirma na sua luta pela igualdade, a luta feminista e declara em alto e bom som que:

Para Mudar a Universidade: 

#SomosTodasFEMINISTAS!