Pular para o conteúdo principal

Condenados na operação impacto colocam familiares para disputar eleição.


Matéria do Novo Jornal denuncia um escândalo: vereadores condenados na Operação Impacto, com medo de serem barrados pela lei da Ficha Limpa, colocaram parentes para disputar a eleição e, assim, tentar manter o espaço na Câmara Municipal de Natal. Adão Eridan e Dickson Nasser escalaram seus respectivos filhos, enquanto Adenúbio Melo inscreveu a mulher para a missão.
O que impressiona é esses vereadores encararem o mandato como se fosse um feudo, um espaço particular a ser preservado a qualquer custo e transmitido de pai para filho, ou de marido para mulher. Em comum, eles têm o fato de fazerem política com base no assistencialismo barato, usando a fragilidade das pessoas para se elegerem.


Novo Jornal:
A APLICAÇÃO DA lei da Ficha Limpa tem levado candidatos com problemas na Justiça a buscar alternativas para seguir com poderes na política. Parte dos réus condenados no processo ajuizado a partir da Operação Impacto usará as candidaturas de parentes próximos como estepe. Assim, caso a lei seja de fato aplicada e os condenados não possam mesmo concorrer à eleição, todos os esforços da campanha serão transferidos ou divididos com filhos e esposas. Dos quatro vereadores da atual legislatura de Natal condenados por vender o voto na revisão do Plano Diretor de Natal em 2007, pelo menos dois já comentaram com colegas da Câmara Municipal que vão usar a estratégia de apoiar parentes na eleição diante da possibilidade de serem impedidos pela Justiça Eleitoral.
Adão Eridan (PR) e Adenúbio Melo (PSB) inscreveram como candidatos o filho e a mulher, respectivamente, como alternativa para tentar manter sob seus domínios a cadeira que ocupam na Câmara Municipal. Procurados pelo NOVO JORNAL, os dois admitiram a estratégia, mas garantem que confiam na Justiça e ainda esperam ser absolvidos. “O registro (da minha esposa) quem dita sou eu. Com certeza ela vai (ser candidata) se a Justiça não me deixar. Até porque não tem como sair os dois, né? É muito caro. Mas botei ela também porque não sabia se o PSB ia me dar a legenda depois que votei contra as contas do ex-prefeito Carlos Eduardo. Independente disso acredito na Justiça e em Deus que vai dar tudo certo. Estamos torcendo”, afirmou o Adenúbio Melo, marido de Janderre Franco de Araújo Melo, que não quis dar mais detalhes da candidatura.
“Estou conversando com meus advogados agora justamente para resolver isso”, comentou.  Adão Eridan é pai de Jonatas Moabe Silva de Andrade e também admite o plano. Ele conta ainda que, além do filho, também registrou a candidatura da nora. Mas sobre isso revela uma história curiosa que mostra o quão distante as mulheres estão do mesmo patamar dos homens na política. “Vou explicar: para candidatar dez pessoas, três têm que ser mulher. Aí botei minha nora, uma amiga e uma funcionária que trabalha com a gente. Mas é apenas para constar, não vou pedir voto para elas não”, explicou.
Outro vereador que vive situação semelhante é Dickson Nasser. Apesar de já ter anunciado que não vai concorrer este ano, Nasser também foi punido pela Justiça no mesmo processo e decidiu apoiar um i lho. Em 2010, ele ajudou a eleger deputado estadual o filho mais velho, Dibson Nasser, e agora tenta firmar a dobradinha na Câmara Municipal com Dickson Júnior, publicitário que nunca concorreu a um cargo eletivo antes. O NOVO JORNAL ligou para os telefones do vereador, mas ele não atendeu nenhuma das ligações.
Tal Pai, Tal Filho
No caso da estratégia do vereador Adão Eridan, que tem a mesma estimativa de gastos com a campanha do i lho (R$ 500 mil), a tentativa de aproximar um do outro é clara. Além de registrarem as duas candidaturas pelo mesmo partido, o PR, os números que usarão na campanha são sequenciais. Enquanto Eridan vai de 22123, Jonatas Moab usará o 22456. Outro dado que chama a atenção na candidatura do filho do vereador é o patrimônio declarado. Moabe tem 25 anos e, segundo revelou ao Tribunal Superior Eleitoral, é ‘estudante, bolsista e estagiário e assemelhado’.
Aos 25 anos, ele está concluindo o curso de odontologia na UnP. Em nome dele constam dois carros (Fiesta e Corsa), uma moto e um terreno em Nízia Floresta. Os bens estão avaliados em R$ 51 mil. O candidato responde a dois processos na Justiça envolvendo dívidas relacionadas à aquisição de veículos. Moabe comprou em 2008 um veículo modelo Fiesta por 60 prestações de R$ 980,93. Porém, o HSBC Bank Brasil S/A pediu a reintegração de posse do carro por falta de pagamento. Segundo a ação, cuja sentença favorável ao banco saiu em 13 de abril de 2012, Jônatas pagou até setembro de 2011. A outra ação é de 200 foi ajuizada em 2009 pela empresa Dibens Leasing S/A Arrendamento Mercantil, que também cobrou por um veículo. No sistema leasing, ou arrendamento mercantil, o interessado aluga o produto com preço de compra fixo. Pelo processo, Moab alugou um carro e também não pagou.
Procurado pelo NOVO JORNAL, o candidato informou que as pendências judiciais já estão resolvidas. Ele explicou que num processo comprou o carro para um amigo, que vendeu o veículo e, por conta disso, o nome dele ficou sujo. Já no outro, a falta de pagamento se deu por motivos de viagem. “Tive que viajar e não paguei algumas parcelas, mas já está tudo quitado com a Justiça e não vai atrapalhar a nossa eleição”, disse.
‘Colocado’ na política
O vereador Adão Eridan é tido como referência em Felipe Camarão. De caixão de defunto a ambulância, muita coisa é doada à população carente da Zona Oeste através da fundação Maria Neuzelides, criada em 1997 no bairro e mantida pelo mandato de parlamentar e as parcerias com entidades filantrópicas. Mas a ideia do vereador é crescer. E, diante da possibilidade de ser impedido de continuar na Câmara Municipal, o filho é sinônimo dessa expansão.
Jônatas Moabe é o estepe de Adão Eridan e dá mostras de que entendeu qual é sua função. “Meu pai me colocou para ajudar mais ele a expandir o trabalho por toda Natal. Ele me colocou na Zona Norte, mas não quer dizer que não vou trabalhar par ao resto da cidade”, disse.
Segundo Moabe, caso eleito, o foco do mandato será o ‘trabalho pelo social’. Concluinte do curso de odontologia da UnP, ele espera poder botar em prática o que aprendeu na faculdade. Junto com outros serviços. “Na parte de educação quero investir em cursos profissionalizantes, também na assistência odontológica. E vou incentivar a cultura e a prática de esportes. Um dos meus objetivos é conseguir junto ao prefeito que os alunos fiquem em tempo integral nas escolas”, afirmou o futuro dentista que se mostra empolgado com a campanha. “Está muito boa, muito gente já me ligou para agradecer o trabalho que estamos fazendo pela Zona Norte”, disse.
O pai, orgulhoso, ressalta a veia social e o empenho pela região mais população de Natal que aflorou no i lho. Jonatas trabalha junto com a noiva, também estudante de odontologia, percorrendo bairro por bairro. “Eu já tinha um trabalho muito bom na Zona Norte e agora botei ele e a esposa para lá. É um trabalho social que a gente faz”, conta.
Adão Eridan não esconde que a candidatura do filho é uma expansão do ‘trabalho social’ que desenvolve e que, no caso da condenação se efetivar de fato, é Jônatas quem vai tocar o barco. “Eu acredito em Deus, por isso estou tranquilo. Fui condenado em primeira instância mesmo estando de licença, cirurgiado. Mesmo assim fui o vereador mais votado de Natal depois da operação Impacto com 9.445 votos (eleição de 2008). Se eu for condenado a gente vai fazer a campanha do meu filho. E vou de cabeça erguida”, afirmou.
JULGAMENTO
Embora condenados em primeira instância, pela Lei da Ficha Limpa os réus da Impacto e tornarão inelegíveis apenas se o colegiado do Tribunal Regional da 5ª Região, para onde o processo subiu, mantiver a decisão do juiz da 4ª Vara Criminal Raimundo Carlyle. O mais provável, no entanto, é que este julgamento só aconteça no primeiro semestre de 2013. Assim, os suplentes dos vereadores condenados assumiriam imediatamente os cargos. Por isso, investir na campanha de um parente é estratégico. O óbvio ululante: quanto mais votos tiver o familiar de um vereador ‘impactado’, mais chances ele tem de chegar à Casa como eleito ou suplente.
Fonte: novo jornal
Share on orkutShare on twitterShare on facebookShare on email

Postagens mais visitadas deste blog

Ata de Homologação de candidatura da chapa "TODA LUTA"

Edital da Eleição para o Diretório Central dos Estudantes José Silton Pinheiro

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Diretório Central dos Estudantes da UFRN – José Silton Pinheiro Comissão Eleitoral
EDITAL
A Comissão Eleitoral, autônoma, eleita em CEB, convocado e realizado no Diretório Central dos Estudantes – (DCE UFRN), realizado no último dia quatro de abril de dois mil e dezessete, no uso de suas atribuições legais e prerrogativas outorgadas em CEB, RESOLVE:
Capítulo I: Da Comissão Eleitoral, sua composição e competências
Art. 1º - Informar da sua composição eleita em CEB supracitado:
I.Rafael Leite da Silva Bune (Pedagogia); II.Gustavo Rodrigues da Costa (Gestão de Políticas Públicas); III.Paula Lays de Lima e Silva (Direito);

HOMOLOGAÇÃO CHAPAS DE DELEGADOS AO 55 CONUNE

A Comissão Eleitoral para o processo de eleição dos e das delegados/das da UFRN ao 55º CONUNE, devidamente instituída pela Coordenação desta entidade, faz saber as chapas homologadas para o processo de campanha. Sendo elas:

CHAPA 1 - "ENFRENTE"
CHAPA 2 - "OCUPAR E RECONQUISTAR A UNE"
CHAPA 3 - "VAI LUTAR OU VAI TEMER?"

     Vale salientar que devido ao grande volume de inscritos para cada chapa, esta Comissão está compilando todos os nomes homologados de cada chapa, estes serão publicizados nesta sexta-feira(26/05/2017).
     Sem mais para o momento, autorizamos o início da campanha eleitoral conforme o Edital deste processo.


COMISSÃO ELEITORAL - DCE UFRN - 55º CONUNE