Pular para o conteúdo principal

Greve nos transportes: o que podemos aprender?


Por Professor Ruy Rocha, Departamento de Comunicação Social da UFRN, postado no portal Fala Rio Grande

A greve dos trabalhadores nos transportes públicos parou Natal e repercutiu em toda a região metropolitana. Aulas foram suspensas, atividades comerciais foram prejudicadas, assim como o funcionamento de órgãos públicos. O que podemos aprender com tantos engarrafamentos, atrasos, transtornos?

A greve convocada pelo sindicato dos trabalhadores rodoviários tem o objetivo de conquistar melhores salários para motoristas e outros profissionais. Podemos questionar os métodos adotados pela entidade, mas o episódio serve para refletir sobre a mobilidade na capital potiguar. Ao menos dois ônibus foram apedrejados, embora não tenha sido identificada a autoria dos ataques.

Mesmo tendo uma área bem menor (aproximados 167 km² contra 693 km²), em Natal a tarifa é de R$ 2,20, bem próxima dos R$ 2,50 cobrados em Salvador. A maior cidade da Bahia tem uma área quatro vezes maior do que nossa cidade.


Isto mostra que é preciso colocar em perspectiva todos os custos e a margem de lucro das empresas. E também debater a qualidade dos serviços, observados com desconfiança por muitos usuários. Em Natal, os ônibus desaparecem após as 22 horas, colocando em dificuldades muitos estudantes e trabalhadores. Também há muitos veículos velhos, que não contam com adaptações para idosos e pessoas com necessidades especiais.


Muitos reclamam das linhas, que não levam em consideração as demandas da sociedade. As pessoas têm muita dificuldade em transitar entre bairros de uma mesma região e muitos reclamam do cartão eletrônico, que substituiu as estações de integração. Com os constantes atrasos, há a necessidade de pagar duas tarifas.

Aos motoristas e cobradores resta se conformar com um trabalho altamente insalubre, em ônibus barulhentos, sem ar condicionado, nos quais ficam vulneráveis a assaltos. Vale lembrar que algumas empresas exigem que os cobradores restituam o dinheiro roubado. É necessário melhorar os salários e dar qualidade de vida aos funcionários, para que o transporte atenda a demanda.

Os empresários podem até contar com algum tipo de subsídio, mas têm o dever de melhorar muito a qualidade dos serviços oferecidos, sob a fiscalização atenta da prefeitura. Por sua vez, cabe ao município promover uma licitação para os transportes públicos, bem como regulamentar o plano diretor, com ênfase na questão da mobilidade. Estas são urgências,

Todos estes fatos fazem com que seja urgente o debate sobre os transportes em Natal, para que a população conquiste possa se deslocar de um jeito confortável e rápido, pagando preço justo. Impossível? Não, se houver muito trabalho, pensando em soluções de longo prazo, debatendo com seriedade e estudando pra valer o problema.

Postagens mais visitadas deste blog

Ata de Homologação de candidatura da chapa "TODA LUTA"

UNE lança nova carteira estudantil

Começou no último dia 27  a emissão da nova carteira nacional estudantil. A nova carteira expedida pela União Nacional dos Estudantes teve o layout nacionalmente padronizado e está de acordo com as exigências da Lei que esclarece as medidas relativas à Copa das Confederações FIFA 2013, à Copa do Mundo FIFA 2014 e aos eventos relacionados, que serão realizados no Brasil. A carteira vai garantir 50% de desconto no ingresso para os jogos da Copa das Confederações que acontece agora em junho bem como para o transporte público nos municípios onde os estudantes têm benefícios assegurados. “O funcionamento da carteirinha durante este ano será uma experiência importante para a Copa do Mundo e os demais eventos esportivos que virão. As mudanças também reforçam a credibilidade da carteira como um documento de identificação dos estudantes reconhecido em todo o território nacional”, destaca o presidente da UNE, Daniel Iliescu.
A nova carteira estudantil tem certificado digital e poderá ser emiti…

Xerox na UFRN

Você está indignado com o serviço de Xerox na UFRN? Não agüenta mais ficar em fila? Já precisou várias vezes de material que não teve como copiar? Quer um serviço mais barato e de qualidade? Seus problemas ainda não acabaram, mas podem acabar! O DCE/UFRN, gestão “Da luta não me retiro”, na qualidade de representante legitimado dos estudantes da UFRN, diante da grande quantidade de reclamações de diversos estudantes e Centros Acadêmicos a respeito péssima qualidade do serviço de reprografia atualmente prestado nessa Universidade - as longas filas e esperas, muitas vezes sem conseguir êxito para retirar cópia ou fazer impressão, que têm feito inclusive vários estudantes perderem aula – convoca os estudantes para discutir e pensar soluções práticas para a problemática da Xerox. A última licitação para prestação de serviço de copiadora na UFRN ocorreu em 2002 (concorrência nº 02/2002), o que significa que a empresa que atualmente está na UFRN o faz sem licitação, além de não ser de modo nen…