Pular para o conteúdo principal

Após decisão do STF, movimentos sociais lutam por cotas em todas as universidades

Das 59 universidades federais do país, 36 aplicam alguma ação afirmativa em seu processo seletivo, sendo 25 algum tipo de cota racial

Vivian Fernandes,
da Radioagência NP

O sistema de cotas raciais para reserva de vagas em universidades públicas é constitucional conforme interpretação unânime dos dez ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que participaram da votação no dia 27 de abril. O julgamento foi sobre ação do partido Democratas (DEM), de 2009, contra as cotas aplicadas na Universidade de Brasília (UnB).

Para o integrante da UNEafro-Brasil (União de Núcleos de Educação Popular para Negras/os e Classe Trabalhadora), Héber Fagundes, o Supremo cumpriu o seu papel de legitimar essa demanda da sociedade.

“Mesmo se o STF voltasse atrás, as universidades nas quais a gente conquistou o programa de cotas e ações afirmativas não voltariam atrás. Porque as avaliações que foram feitas ao longo desses anos mostram que as cotas ou outro tipo de ação afirmativa para negros e indígenas já é uma realidade”.


As cotas para ensino superior podem ter caráter racial (para negros e indígenas), social (egressos de escolas públicas ou deficientes físicos) ou uma combinação dos dois modelos. Apesar da decisão do STF, cada universidade tem autonomia para implantar essas políticas afirmativas.

Segundo Héber, o próximo passo é lutar pela aplicação de cotas nas instituições que ainda não as possuem, como a Universidade de São Paulo (USP).

“As universidades, tanto federais como estaduais, as quais ainda não implementaram um programa de ação afirmativa verdadeiro vão ser muito mais pressionadas, agora com essa decisão do STF, para implantar um sistema de cotas ou um programa de ação afirmativa”.

Das 59 universidades federais do país, 36 aplicam alguma ação afirmativa em seu processo seletivo, sendo 25 algum tipo de cota racial.

Postagens mais visitadas deste blog

Ata de Homologação de candidatura da chapa "TODA LUTA"

Edital da Eleição para o Diretório Central dos Estudantes José Silton Pinheiro

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Diretório Central dos Estudantes da UFRN – José Silton Pinheiro Comissão Eleitoral
EDITAL
A Comissão Eleitoral, autônoma, eleita em CEB, convocado e realizado no Diretório Central dos Estudantes – (DCE UFRN), realizado no último dia quatro de abril de dois mil e dezessete, no uso de suas atribuições legais e prerrogativas outorgadas em CEB, RESOLVE:
Capítulo I: Da Comissão Eleitoral, sua composição e competências
Art. 1º - Informar da sua composição eleita em CEB supracitado:
I.Rafael Leite da Silva Bune (Pedagogia); II.Gustavo Rodrigues da Costa (Gestão de Políticas Públicas); III.Paula Lays de Lima e Silva (Direito);

HOMOLOGAÇÃO CHAPAS DE DELEGADOS AO 55 CONUNE

A Comissão Eleitoral para o processo de eleição dos e das delegados/das da UFRN ao 55º CONUNE, devidamente instituída pela Coordenação desta entidade, faz saber as chapas homologadas para o processo de campanha. Sendo elas:

CHAPA 1 - "ENFRENTE"
CHAPA 2 - "OCUPAR E RECONQUISTAR A UNE"
CHAPA 3 - "VAI LUTAR OU VAI TEMER?"

     Vale salientar que devido ao grande volume de inscritos para cada chapa, esta Comissão está compilando todos os nomes homologados de cada chapa, estes serão publicizados nesta sexta-feira(26/05/2017).
     Sem mais para o momento, autorizamos o início da campanha eleitoral conforme o Edital deste processo.


COMISSÃO ELEITORAL - DCE UFRN - 55º CONUNE